Pedido de Música
Antônio Maria, eterno 'menino grande' nascido há 100 anos, perdura na romântica memória carioca da década de 1950

Advertisement

Antônio Maria, eterno 'menino grande' nascido há 100 anos, perdura na romântica memória carioca da década de 1950

 


♪ MEMÓRIA – Compositor, cronista e radialista que marcou os dourados anos 1950, Antônio Maria Araújo de Morais (17 de março de 1921 – 15 de outubro de 1964) veio ao mundo no Recife (PE), há exatos 100 anos, e nunca negou a origem pernambucana.

A herança musical da terra natal está perpetuada na série de frevos que Maria compôs e que batizou com o nome da cidade do artista. Lançado há 70 anos, o Frevo nº 1 do Recife (1951) ainda reverbera na memória afetiva do Brasil pela beleza melódica e poética que atrai intérpretes como Maria Bethânia.

Contudo, é impossível falar de Antônio Maria sem identificá-lo com a cidade do Rio de Janeiro (RJ), para onde migrou em 1948, e não somente porque ele é o compositor – em parceria com Ismael Netto (1925 – 1956) – da Valsa de uma cidade (1954), flash iluminado de um Rio antigo, com calçadas cheia de gente feliz a passar.

Calçadas que, mesmo que os versos de Maria omitam, são de Copacabana, bairro que se tornou o epicentro da boemia carioca no reinado de Antônio Maria e do samba-canção.

Sim, Antônio Maria foi homem da noite, dos uísques, das boates esfumaçadas cuja trilha sonora era este gênero musical primo do bolero e irmanado na mesma dor de amor.

A alma carioca de Antônio Maria desconstruiu a imagem de felicidade associada aos cartões-postais do Rio. Assumido cardiodisplicente, Maria foi um homem que amou demais e que, por isso mesmo, sofreu demais.

A ternura antiga de Menino grande (1952) – sucesso inicial do compositor, apresentado ao Brasil na voz grave e soturna da cantora Nora Ney (1922 – 2003) – sinalizou que o menino grande era ele próprio, Maria, garoto maroto, carente de amor. Vítima do (des)amor.

A habilidade para cair na fossa foi perpetuada na letra do samba-canção Ninguém me ama (1952), pérola da desilusão composta por Maria com o parceiro conterrâneo Fernando Lobo (1915 – 1996) e lapidada no canto da recorrente Nora Ney no mesmo ano consagrador de Menino grande.

De sucesso em sucesso, Antônio Maria atravessou a longa noite da modernista década de 1950 entronizado no posto de um dos melhores cronistas e compositores do Brasil. Refratário à onda musical que se ergueu no mar carioca em 1958, Maria foi tragado por essa onda ao escrever a letra de Manhã de Carnaval (1959) para a música do compositor e violonista Luiz Bonfá (1922 – 2001).

Manhã de Carnaval, tão bonita, conquistou o mundo com bossa toda própria. Mas o mundo de Antônio Maria era bem menor e cabia na área que abrigava as boates e os jornais cariocas. Tanto nestes, como naquelas, Maria batia ponto com paixão pela vida que parecia lhe pesar nos ombros.

“Se eu morresse amanhã de manhã / Não faria falta a ninguém”, vaticinou em versos do samba-canção Se eu morresse amanhã (1953), outra joia do gênero, lustrada nas vozes de cantoras como Aracy de Almeida (1914 – 1988) – intérprete que apresentou o samba-canção Quando tu passas por mim (de Maria e Vinicius de Moraes) no mesmo ano de 1953 – e Dircinha Batista (1922 – 1999).

Antônio Maria morreu aos breves 43 anos, vítima de peça lhe pregada pelo coração sobrecarregado por tantos amores. Fez falta para muita gente, mas não para Dolores Duran (1930 – 1959), porque a intérprete original da Canção da volta (1955) – outra obra-prima da parceria de Maria com Ismael Neto – já tinha saído de cena há cinco anos, também vítima do coração.

Decorridos 100 anos do nascimento de Antônio Maria, o artista pernambucano perdura como compositor e cronista na memória romântica do Rio de Janeiro dos dourados anos 1950.


Postar um comentário

0 Comentários