Pedido de Música
Revista dos EUA divulga gravação de empresa que manipulava números de streaming de músicas

Advertisement

Revista dos EUA divulga gravação de empresa que manipulava números de streaming de músicas

 


A revista dos EUA "Rolling Stone" publicou nesta quarta-feira (10) em seu site uma gravação do executivo de uma empresa que ajudava músicos a aumentarem artificialmente o número de streams de suas faixas no Spotify, YouTube e outros sites.

A reportagem revela a negociação de compra de "plays" de uma música do rapper G-Eazy, que ja tocou no festival Lollapalooza em São Paulo e tem sucessos com Halsey ("Him and I"), Bebe Rexha ("Me, myself and I"), entre outros.

"Nós deciframos o código e entendemos como manipular o sistema", diz Joshua Mack, dono da empresa 3BMD, em reunião com a agência Blueprint, que divulgava o trabalho de G-Eazy. O rapper diz que não estava ciente do negócio e a revista não confirma se o acordo chegou a ser fechado.

A revista teve acesso a uma tabela de preços em que a 3BMD cobrava US$ 12 mil (R$ 68 mil) para aumentar 1 milhão de plays no YouTube, Spotify ou Apple Music.

Na gravação, Joshua diz que sua empresa gerava "200 milhões de streams" por mês para grandes artistas. A reportagem não cita o nome dos artistas, além de G-Eazy.

Segundo a reportagem, o aumento artificial no número de streams é feito através do pagamento para donos de playlists muito seguidas para incluir as músicas, impulsionando sua audição. Também são utilizadas "contas-robô" que ouvem repetidamente a faixa, de forma automática.

Sucesso fake e jabá 2.0

G1 já mostrou o mercado do "sucesso fake", com uma negociação aberta na internet por streams artificiais, inclusive no Brasil.

Em um mundo em que a música é mais digital e menos física, ter muitos "plays" na internet indica sucesso, rende direitos autorais e leva a convites para shows, festivais e outras mídias.

Outra reportagem do G1 mostrou com acontece a criação e negociação das playlists que são usadas para impulsionar as músicas.

Em 2017, um lugar de destaque em uma grande playlist de sertanejo valia até R$ 17 mil. Na época, uma empresa da Romênia chamada RedMusic comprou de um usuário brasileiro a playlist de música sertaneja mais acessada no Brasil na época, com 1,3 bilhão de views, por R$ 30 mil. 

Playlist de canal criado por brasileiro e que hoje é 1º lugar na busca por 'sertanejo' no Brasil — Foto: Reprodução / YouTube

Playlist de canal criado por brasileiro e que hoje é 1º lugar na busca por 'sertanejo' no Brasil — Foto: Reprodução / YouTube


Postar um comentário

0 Comentários