Pedido de Música
Voz emergente do Recife, Mazuli tem veia pop exposta em álbum influenciado pelo brega

Advertisement

Voz emergente do Recife, Mazuli tem veia pop exposta em álbum influenciado pelo brega


♪ Desde 2019, ano em que debutou em disco com a edição do EP Desafogo, Mazuli tem procurado se fazer ouvir dentro e além da movimentada cena pop pernambucana que tem projetado cantores e compositores como Almério, Isabela Moraes e Juliano Holanda.

Posto nos aplicativos de música na sexta-feira, 27 de agosto, com capa que retrata o cantor em foto de Luma Torres, o álbum Mazuli representa outro passo do artista na caminhada para se firmar nessa cena.

Nascido no Recife (PE) há 25 anos, com o nome de Thiago Mazulli, o cantor e compositor já tem parceria com Otto, perpetuada no single 8 ou 80 (2020), e apresenta no álbum onze canções autorais, sendo nove inéditas e duas já lançadas em singles entre abril de 2020 e janeiro deste ano de 2021.

A produção musical de Pedro Liao – baixista e tecladista da banda arregimentada para a gravação do disco, coproduzido pelo guitarrista Carlos Filizola – expõe a veia pop do cancioneiro do artista.

Essa veia pulsa com mais força na levada acelerada do refrão de Pequeno porte (Mazuli, Helton Moura e Mila Nascimento), na arquitetura de Raspe com a colher (Mazuli e Guilherme Barreto) – música de refrão aliciante, já previamente apresentada em janeiro como segundo single do álbum Mazuli – e em Astral (Mazuli).


 

Postar um comentário

0 Comentários