Pedido de Música
Luedji Luna prepara 'Deluxe' com 10 inéditas e 4 remixes de 'Bom Mesmo é Estar Debaixo D'água' Skip to main content

Breaking News

[tdnewsticker][label=Podcast][posts=8]

Luedji Luna prepara 'Deluxe' com 10 inéditas e 4 remixes de 'Bom Mesmo é Estar Debaixo D'água'


Em "Bom Mesmo é Estar Debaixo D'Água", Luedji Luna cantou sobre o amor e suas dores em um álbum muito inspirado no jazz, mas muitas canções ficaram de fora.

A cantora baiana vai resolver essa questão com o "Deluxe", uma versão estendida do álbum que, dado o tamanho, parece mais um terceiro disco.

Ao g1, Luedji antecipou que, no novo trabalho, serão dez músicas inéditas e quatro remixes de canções do "Bom Mesmo".

"A maioria são coisas que eu já tinha e que eu não tive condições ou coragem até de gravar e colocar no álbum. São canções que eu falo em uma perspectiva mais do desejo, são canções mais sexuais, mais sensuais".

"O 'Bom Mesmo' traz muito esse amor nessa perspectiva mais filosófica, reflexiva, crítica e o Deluxe não, ele é mais humano mesmo, muito mais literal. Surge muito como lado B".

Luedji Luna é uma cantora baiana que despontou na cena da MPB em 2017 com "Banho de Folhas", hit obrigatório em festas de brasilidades desde então.

Depois do elogiado álbum de estreia, "Um Corpo no Mundo", que tem muita influência da Bahia e da mudança de vida para São Paulo, Luedji falou sobre o amor a partir da perspectiva da mulher negra no segundo álbum lançado no meio da pandemia em 2020.

O álbum foi gravado por músicos do Quênia, Burundi e Madagascar, com produção da cantora e do guitarrista queniano Kato Change, enquanto ela esperava Dayo, primeiro filho com o rapper Zudizilla.

Change também está trabalhando com Luedji no "Deluxe", além do produtor carioca Theo Zagrae.

Poetas negras, como Conceição Evaristo e Tatiana Nascimento, também participam do disco que foi indicado ao Grammy Latino na categoria álbum de música popular brasileira em 2021.

Se em "Bom Mesmo", a África foi fisicamente lugar de inspiração, no "Deluxe" o foco se volta para o R&B e eletrônico após trocas com produtores dos Estados Unidos.

"Pela temática das letras, faz sentido ir para uma coisa mais R&B. Nas minhas viagens, fui para Nova York, fiz trocas com produtores de lá e acabei recebendo muitos beats. Então também é esse momento de experimentar essa linguagem".

Por falar em letras, ela já vem dando spoilers nas redes sociais com trechos de músicas inéditas.

"Fiquei na vontade, deve ser maldade, me entregar pro tempo, dormir no teu colo, dormir na tua cama, sobre a tua carne", é um dos versos no Instagram da cantora.

Turnê na Europa

Por conta da pandemia, Luedji só começou a rodar com o show de "Bom Mesmo é Estar Debaixo D'água" nos últimos meses e ela segue descobrindo o que funciona ou não no palco.

"Já sinto que é um show mais maduro, já estou mais à vontade com disco. Foram dois anos sem cantar, então é como aprender a fazer tudo de novo", explica.

"Estar no palco, fazer show, viajar, o meu corpo é outro, já sou mais velha, virei mãe. Muita coisa mudou nesses dois anos e a gente está agora se adaptando a esse novo corpo, essa nova Luedji junto com esse novo disco que me traz outra demanda também".

Ela fez festivais no Brasil como Rock the Mountain e Queremos, no Rio, Mita Festival em São Paulo, Festival de Inverno de Garanhuns, em Pernambuco, e embarca para Europa nesta semana.

Na segunda turnê na Europa, serão seis shows na Inglaterra, Alemanha, República Tcheca, Espanha, e Portugal entre os dias 5 e 12 de agosto.

"Tenho público europeu muito querido. Também vou lançar o álbum como LP por um selo português. A expectativa é a melhor possível, verão europeu. Estou pronta para ir", finaliza Luedji.


 

Postar um comentário

0 Comentários